segunda-feira, 28 de outubro de 2019

Não, não olhem para o escudo do Flamengo, pois apesar de ser fã do time, não sou louco de esquecer o mais importante para saber se ele ganhou ou perdeu (isso é do jogo).

Neste momento o "jogo" mais importante está parecendo um bom jogo de Poker, no qual quem mente mais se sujeita a dois resultados: ganhar muito, ou perder tudo. 

As Américas, mas não só elas, estão enfrentando uma onda terrível representada pela extrema-direita e seus acólitos pentecostais, visando uma possibilidade de instalarem no mundo a famigerada Nova Ordem Mundial. 

O povo, entretanto, parece não estar totalmente dopado e ainda há quem reaja de forma exemplar às propostas mais que desonestas dessa corja de bandidos: Os exemplos mais claros estão se espalhando e fazendo fila: Começaram fraquinhos com os "Jilets Jaunes" contra o Macron, na França e lá conseguiram algumas parcas vitórias; Atravessaram o oceano e vieram com mais força para o México, onde também, por falta de união do povo, pouco levaram. Finalmente chegaram ao Brasil e foi aquele desastre, pois a alienação é tanta que o povo vai aos montes ver uma rinha de galos, mas não sai de casa contra quem lhe está roubando o direito de se aposentar.

Felizmente, a civilização espanhola permitiu que os seus descendentes tivessem "aquilo roxo" e tenham mostrado ao Piñeda com quantos gritos e vontade se derruba um governo, lá no Chile. Depois do seu show particular, meteu o rabinho entre as pernas e desmontou todo o seu governo: agora, na minha opinião, é que ele vai sentir a força do povo. Ganhou as eleições, mas saiu derrotado.

Na Argentina, Fernandez e a Cristina, mostraram que não estão para brincar de primo pobre e primo rico e voltaram a implantar um governo de esquerda que deveria envergonhar os brasileiros.

Até Maduro, que ganhou as eleições está sendo acusado, excomungado e encomendado ao diabo, por ter garantido mais quatro anos de socialismo na Venezuela.

Na Itália, os ultra se demitiram (não aguentaram o tranco); na Espanha entre geringonças e outros modelos de governo, a direita não consegue acabar com o sonho de separação do País Basco e a Catalunha. Portugal continua socialista (agora mais socialista que antes, pois era uma geringonça de quatro ou cinco partidos para governar).

E nós?
"Quando é mesmo o jogo do Flamengo x River Plate"?